GPS Lifetime GPS Lifetime

Endometriose: doença é causada por crescimento de tecido do útero

Endometriose: doença é causada por crescimento de tecido do útero
photo Reprodução

A síndrome bastante dolorosa é caracterizada pelo crescimento inadequado do tecido que reveste o útero

Enquanto para algumas mulheres o período menstrual é algo normal, para outras chega a atrapalhar a qualidade de vida. Dentre alguns problemas no útero, um dos mais comuns entre o público feminino é a endometriose. A doença, que afeta quase seis milhões de brasileiras, pode surgir após a menarca – a primeira menstruação.

A síndrome bastante dolorosa é caracterizada pelo crescimento inadequado do tecido que reveste o útero (endométrio) em outros locais do organismo, por exemplo, ovários, trompas, bexiga ou intestino.

A região no qual o endométrio se acumula diferencia os tipos da doença.

  • Profunda: considerada a mais grave, o problema costuma formar nódulos que atingem o reto, órgãos genitais e intestino;
  • Ovariana: a cada ciclo menstrual, os cistos se alojam e crescem nos ovários;
  • Superficial: considerada leve, mas tem diagnostico complicado devido aos tamanhos pequenos das lesões na região pélvica;
  • Septo reto-vaginal: tipo raro, os cistos aparecem entre o reto e a vagina;
  • Endometriose de parede: ocorre após procedimentos cirúrgicos, pois os cistos se localizam próximo à região da cirurgia;
  • Endometriose pulmonar ou pleural: outro tipo raro que provoca tosse com sangue. Nessa situação, a doença alcança os vasos sanguíneos localizados no pulmão.

Dentre as causas da endometriose está a menstruação retrógrada. Na situação, o fluxo sanguíneo faz um trajeto errado, percorrendo até as tubas uterinas e vazando para locais como ovários e em alguns casos intestino.

As mulheres que possuem imunidade baixa devem ficar em alerta. Quando o sistema imunológico não funciona de modo correto, algumas células do endométrio passam a ser produzidas em regiões fora do útero.

 

Sintomas

O principal sinal sentido por uma mulher diagnosticada com endometriose é a cólica menstrual forte. A dor vem acompanhada de sangramento intenso durante a menstruação.

Já na conhecida TPM, as dores abdominais dão início ao que está por vir, por exemplo, náuseas e vômitos nos quadros mais graves de dor. Sem contar a sensação de cansaço físico e de dor ao urinar.

Além da dor intensa, as mulheres têm problemas de fertilidade e incômodo durante as relações sexuais. O número de pacientes que apresentam os sintomas anteriores chega a 60%.

Diagnóstico

Ao notar os sintomas da endometriose, a paciente deve procurar um ginecologista. Por mais que o médico desconfie da síndrome, o diagnóstico não depende somente da avaliação dos sintomas descritos pela mulher. Durante a consulta, o profissional pode vir a detectar algum dos tipos da doença a partir do exame de toque vaginal. Em alguns casos, o ginecologista solicita o ultrassom pélvico ou transvaginal a fim de identificar a endometriose e para descartar outros problemas uterinos, como cistos nos ovários.

O médico pode ainda pedir uma biópsia do tecido. Nesse método, é feita uma pequena cirurgia na qual introduz no útero um pequeno tubo com uma câmera na ponta. O instrumento permite observar a região pélvica e recolher amostras de tecido que serão analisadas em laboratório.

 

Tratamento

Por ser uma doença crônica, a cura em definitivo é complicada e difícil. Depois do diagnóstico oficial, o ginecologista propõe alternativas de tratamento de acordo com a idade, gravidade da doença e a vontade da paciente em ter filhos. Nas situações mais graves, os procedimentos cirúrgicos e as terapêuticas com o uso de medicamentos a longo prazo são os métodos mais recomendados.  

Outras formas de aliviar os sintomas da endometriose: incorporar a prática de atividade física à rotina; acupuntura e alimentação saudável. Vale lembrar que vitaminas com ação antioxidante e anti-inflamatória ajudam a controlar as dores.

 

Fica a dica!

Mulheres com casos de endometriose na família têm maiores chances de desenvolver a síndrome. Nesses casos, o surgimento da doença pode ser diagnosticado com maior facilidade. De acordo com pesquisas da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia, o fator família interferiu em 51% das pacientes analisadas.


Hora da gramática: saiba como pronunciar o nome de grifes de luxo

Hora da gramática: saiba como pronunciar o nome de grifes de luxo
photo Reprodução

Às vezes, a nomenclatura das labels mais queridinhas do mundo da moda é um tanto complicada de falar

 

Algumas grifes são assunto garantido no papo entre amigas, porém nem sempre da forma correta. Os nomes de origem francesa, inglesa ou italiana ganharam versões abrasileiradas devido o nível de complicação da pronúncia.

Não gosta de se enrolar na hora de falar o nome da grife? Seus problemas acabaram! Abaixo confira como pronunciar certinho a nomenclatura das etiquetas mais hypadas do universo fashion

 

Alexander Wang – Alecsander Uéng

Balenciaga – Balenssiaga

Balmain – Balmá

Bottega Veneta – Botêga Vêneta

Bvlgari – Búlgari

Celine – Cêlín

Christian Louboutin – Cristian Lubutã

Comme des Garçons – Com Dê Gásson

Dolce & Gabbana – Doltchey end Gabana

Givenchy – Givonchí

Gucci – Gúti

Hermès – Erméz

Jacquemus – Jaquemus

Jean Paul Gaultier – Jon Pol Gotiê

Lanvin – Lanvã

Louis Vuitton – Lui Viton

Marchesa – Marquêsa

Moschino – Mosquino

Ralph Lauren – Ralf Loren

Tommy Hilfiger – Tomi Rilfiguer

Versace – Versatchê

Vetements – Vetmon

Yves Saint Laurent – Ivi Sã Lorrã