GPS Lifetime GPS Lifetime

Luta, amor e maconha: Norberto Fischer é corresponsável pela "nova vida" da filha Anny

Luta, amor e maconha: Norberto Fischer é corresponsável pela "nova vida" da filha Anny
collaborated Larissa Duarte
photo Bruno Cavalcanti

Pai da primeira brasileira autorizada judicialmente a importar um derivado da cannabis para uso medicinal, Norberto Fischer exalta a força da filha e conta como curte a paternidade
 

“Começamos a ser super-heróis dentro de casa”. Para Norberto Fischer, o segredo para combater “monstros e vilões” está na união das duas maiores qualidades de suas filhas: maturidade e força. A primeira virtude descende da primogênita Júlia, de 12 anos, a pequena-grande responsável pelo equilibro do lar. Já força é um atributo oriundo de Anny, de 10 anos, um sinônimo de persistência e valentia.

No Dia dos Pais, o GPS|Lifetime relembra e homenageia a luta de Norberto pela incansável busca de qualidade de vida da filha mais nova. Aos 4 anos de idade, Anny foi diagnosticada com uma rara síndrome e sem cura, a CDKL5, que, entre outros sintomas, causa convulsões: ela chegava a ter a 80 crises por semana. “Quando descobrimos que ela tinha uma síndrome o nosso chão se abriu. Caímos. Ficamos perdidos. O sentimento era de como se a vida dela escorresse entre os nossos dedos”, lembra o pai.

Após diversas tentativas com cirurgias e medicamentos de resultados desanimadores, a presença da pequena ficou cada vez mais “distante” do cotidiano da família. “Vivíamos verdadeiros dias de luto”, conta. Foi quando a mãe, Katiele, encontrou na internet o caso de uma menina com a mesma síndrome de sua filha e que usava “um tal de” canabidiol (CDB) como forma de tratamento.
 

“Começou como uma luta particular e tomou proporções enormes"


“Quando descobrimos o CBD, descobrimos também que era derivado da maconha. O impacto foi grande. Ninguém se acha preconceituoso até estar de frente com uma situação delicada como essa. E, para agravar a situação, qualquer derivado da maconha era ilegal no Brasil”, afirma o pai. Desesperados por ajuda, Norberto e Katiele decidiram se arriscar e importar ilegalmente a substância. Para isso, nadaram contra o preconceito sociocultural a respeito da planta e o proibicionismo no país.


Família Fischer

Após a primeira dose do CBD, tomada em 11 de novembro de 2013, as crises de Anny despencaram e a menina foi ganhando vida novamente. Alimentados pela esperança na substância, os pais iniciaram o duelo pela importação legal. No dia 3 abril de 2014, Anny tournou-se a primeira brasileira autorizada judicialmente a importar um derivado da cannabis para uso medicinal.
Katiele testemunha que a conexão entre as filhas e o pai é de surpreender. São pequenos hábitos “sagrados” ministrados por Norberto que não deixam o dia a dia em família cair no tédio: atividades no jardim, brincadeiras com o gato Mingau, jogos dentro de casa e contação de “histórias malucas” na hora de dormir.

“Têm dias em que a Anny chega cansada da terapia ou da escola e não quer saber de brincar comigo, fica quieta do meu lado. Mas tudo muda assim que ela escuta a voz do pai! É uma ‘faladeira’ e ‘pernada’ para todos os lados até o Fischer ir até ela para conversar. É assim... A mãe cuida o dia inteiro e quem leva crédito é o pai...”, brinca Katiele.  


Anny Fischer

São incontáveis os motivos para celebrar o Dia dos Pais na casa dos Fischer. Hoje, com a vida completamente transformada e prestes a completar cinco anos desde a primeira dose, eles estendem as mãos a outras famílias e batalham com gratidão pelas questões relacionadas à maconha medicinal. Além de Anny e Júlia, Norberto converteu-se em “pai” de muitas outras crianças.

“Começou como uma luta particular e tomou proporções enormes. Foi surpreendente. Recebemos histórias superações e retornos positivos todos os dias. Todas as famílias têm uma coisa em comum: querer qualidade de vida”, diz Katiele.


Calendário MetaFísicos 2019 se inspira na estética dos anos 1980

Calendário MetaFísicos 2019 se inspira na estética dos anos 1980
collaborated Redação
photo Cortesia

Em primeira mão, o GPS|Lifetime revela alguns cliques do badalado calendário. O lançamento acontece neste sábado, 15, no B Hotel, e tem como mestre de cerimônia a diretora de conteúdo do portal, Paula Santana

 

Neon trend! A clínica MetaFísicos apresenta hoje, 15, a edição 2019 do seu badalado calendário. Com exclusividade, o GPS|Lifetime mostra alguns cliques da produção. Ao todo, 23 pacientes do nutricionista Clayton Camargo posaram de acordo com o tema 'Neon'.

A temática revive a estética dos anos 1980, resgatando o ritmo frenético da ginástica de academia, com muita acrobacia, comum àquela época. Entre os musos e as musas desta edição estão o arquiteto Clay Rodrigues e o manager Bruno Mello

Para realizar o projeto, 37 participaram de todo o processo. Além dos modelos, 14 profissionais de backstage, como produtor, fotógrafo, cinegrafista, apoio logístico, pessoal de cabelo e maquiagem estiveram envolvidos. 

O time de estrelas de cada edição é escolhido dentre aqueles pacientes que superaram o desafio de emagrecer ao adotarem um estilo de vida saudável, com alimentação e exercícios físicos. Com o anuário, o nutricionista espera que os modelos se tornem fonte de inspiração para quem busca qualidade de vida.

O lançamento acontece neste sábado, 15, no B Hotel e tem como mestre de cerimônia a diretora de conteúdo do GPS|Lifetime, Paula Santana.

 

 




Leia também: MetaFísicos no ar: Clayton Camargos e Sérgio Morum falam sobre famoso "bumbum na nuca"

Uma febre nacional, o famoso "bumbum na nuca" é tema do segundo episódio de Metafísicos no ar, série desenvolvida por Clayton Camargos e o cirurgião plástico Sérgio Morum, sócios da clínica Metafísicos, em parceria com o videomaker Pedro Lino. O programa trata de saúde, exercícios e bem-estar e, esta semana, se debruça sobre a paixão das brasileiras (e, por quê não, os brasileiros).