GPS Lifetime GPS Lifetime

Sem água e fruta? Imprensa sofre restrições na posse de Bolsonaro

Sem água e fruta? Imprensa sofre restrições na posse de Bolsonaro
collaborated Marina Ferreira e Rebeca Oliveira
photo Marina Ferreira

Além da recomendação de trazer o próprio alimento, jornalistas ficaram sem acesso à água. Frutas inteiras também foram vetadas 

 

O governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, começa com restrições à imprensa. Para a cerimônia de posse, fotógrafos, repórteres e cinegrafistas foram recomendados a trazer o próprio alimento, ainda que tenha sido preparado um coquetel para convidados e autoridades no Palácio do Itamaraty.

E as restrições não acabam por aí. Um repórter precisou cortar ao meio uma maçã que trouxera. Na ocasião, o segurança alegou se tratar de um protocolo padrão para a solenidade. 

Embora garrafas de água tenham sido absolutamente vetadas, a bebida ficou indisponível por um período aos profissionais nacionais e estrangeiros designados para a cobertura. Depois de duras reivindicações, os jornalistas tiveram acesso à água e café.

Entretanto, pouco tempo antes da chegada do militar da reserva ao Congresso Nacional, por volta das 14h30, as bebidas foram retiradas e, novamente, os profissionais voltaram à estaca zero. O que restou foram os petiscos guardados dentro de sacolas plásticas transparentes ou da bolsa. Biscoitos, barras de cereal, chicletes e salgadinhos saciaram a fome dos jornalistas até o término da cerimônia. 




Leia também: Bolsonaro pede fim da corrupção e da "ideologia de gênero"

 

Um dos momentos mais aguardados da posse presidencial de Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 1, foi o discurso do militar da reserva ao Congresso Nacional.

GPS|Lifetime acompanhou o momento histórico no qual, em tom conciliador, o político convocou senadores, deputados e demais autoridades a selarem um grande pacto nacional entre a sociedade e os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário na busca de "novos caminhos para o Brasil".

Bolsonaro começou o pronunciamento saudando os integrantes da mesa e não esqueceu da mulher. “Minha querida Michelle, daqui de Ceilândia”, afirmou. "Com humildade, volto a casa onde por 28 anos servi a nação brasileira. Volto a essa casa não mais como deputado, mas como presidente, em mandato confiado pelo povo brasileiro", continuou.

Visivelmente feliz pela missão "honrosa" de governador o país, Bolsonaro convocou os congressistas para ajudá-lo a reerguer o parlamento, "livrando-o do jugo da corrupção", diz.

"Estou certo de que enfrentaremos enormes desafios", completou o militar. "Mas, pelo trabalho, levaremos às futuras gerações a nos seguir nessa tarefa grandiosa", afirmou.

Sem ideologia de gênero

Entre os objetivos declarados, estão o combate da ideologia de gênero e menos "amarras ideológicas". "Minha campanha eleitoral atendeu ao chamado das ruas e colocou Deus acima de todos. Quando tentaram pôr fim a minha vida milhões de brasileiros foram às ruas. [...] Nada aconteceria sem o esforço e o engajamento de cada um dos brasileiros que tomaram as ruas para retomar nossa liberdade e democracia", disse.

Paradoxalmente, também acrescentou que tem entre os pilares a busca por uma sociedade sem discriminação ou divisão.

Na economia, voltou a defender uma economia eficiente e de livre mercado. Garantiu que o governo não gastará mais do que arrecada, e pediu a criação de um um ciclo virtuoso para o setor, abrindo o mercado para o comércio internacional.

Por fim, pediu a construção de uma nação mais justa com o fim de práticas nefastas. "Hoje, começamos um novo capítulo da nossa história", emendou. Por fim, usou a famosa sentença que o acompanha desde que cogitou ocupar o mais alto cargo da política nacional: "Brasil acima de tudo e Deus acima de todos."
 


Hora da gramática: saiba como pronunciar o nome de grifes de luxo

Hora da gramática: saiba como pronunciar o nome de grifes de luxo
photo Reprodução

Às vezes, a nomenclatura das labels mais queridinhas do mundo da moda é um tanto complicada de falar

 

Algumas grifes são assunto garantido no papo entre amigas, porém nem sempre da forma correta. Os nomes de origem francesa, inglesa ou italiana ganharam versões abrasileiradas devido o nível de complicação da pronúncia.

Não gosta de se enrolar na hora de falar o nome da grife? Seus problemas acabaram! Abaixo confira como pronunciar certinho a nomenclatura das etiquetas mais hypadas do universo fashion

 

Alexander Wang – Alecsander Uéng

Balenciaga – Balenssiaga

Balmain – Balmá

Bottega Veneta – Botêga Vêneta

Bvlgari – Búlgari

Celine – Cêlín

Christian Louboutin – Cristian Lubutã

Comme des Garçons – Com Dê Gásson

Dolce & Gabbana – Doltchey end Gabana

Givenchy – Givonchí

Gucci – Gúti

Hermès – Erméz

Jacquemus – Jaquemus

Jean Paul Gaultier – Jon Pol Gotiê

Lanvin – Lanvã

Louis Vuitton – Lui Viton

Marchesa – Marquêsa

Moschino – Mosquino

Ralph Lauren – Ralf Loren

Tommy Hilfiger – Tomi Rilfiguer

Versace – Versatchê

Vetements – Vetmon

Yves Saint Laurent – Ivi Sã Lorrã