GPS Lifetime GPS Lifetime

Megan Markle enfrenta regras de vestimenta da realeza e aposta em tendência “proibida"

Megan Markle enfrenta regras de vestimenta da realeza e aposta em tendência “proibida"
collaborated Theodora Zaccara
photo Reprodução/GoogleImagens

Cruzar as pernas, apesar de terminantemente proibido entre as mulheres da realeza, é um hábito que a mais nova duquesa da Inglaterra ainda não extinguiu. Além dele, um antigo costume fashion da época em que era atriz também faz parte dos vícios de Meghan Markle  - o gosto pelo preto. Durante uma série de visitas oficiais pela Grã-Bretanha, a monarca optou por não um ou dois, mas três looks all black

O primeiro, um vestido semelhante ao modelo de noiva Givenchy, para atender às celebrações do centenário da Força Aérea Britânica. O segundo, para um encontro com o presidente da Irlanda, na última terça-feira, 10. E o terceiro, um terninho que caiu no gosto dos súditos irlandeses. Todos semelhantes na escolha da cor preta, tonalidade censurada para os membros centrais da família real - a Rainha, por exemplo, só usa vestes negras em momentos de luto. 

Para Meghan, que nunca subirá ao trono, o tom não está banido, mas é uma escolha não-usual que foge às tradições da monarquia inglesa. 


Kakay celebra casamento em Arraial d'Ajuda

Kakay celebra casamento em Arraial d'Ajuda
photo Cortesia

Durante os votos de felicidades aos noivos, célebre jurista homenageou a mulher, Valéria

 

A pedido dos pombinhos, o renomado advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, celebrou a união de Bibi Moura e Frederico Vilaça nesse sábado 22, em Arraial d'Ajuda, Bahia. De clima bucólico, a cerimônia contou com a presença de 300 convidados, e foi de emocionar. 

Para tornar o momento especial, Kakay imprimiu, para cada invitado, três poesias, incluindo Eros e Psique, de Fernando Pessoa. Logo no início do discurso, o jurista pediu para que todos o acompanhassem na leitura dos versos. 

Após o coro, o orador discorreu sobre o amor, a solidariedade, a paixão e a importância da individualidade em um relacionamento a dois. Também prestou homenagem a mulher, Valéria, desejando aos recém-casados a mesma felicidade que vivencia ao lado da amada. 

Abaixo, confira o discurso na íntegra. 

"É muito difícil falar sobre o amor para pessoas tão jovens. Mas eu vejo na Bibi e no Frederico um amor maduro, se é possível falar em maturidade na idade deles. Mas o amor, queridos, não tem que ter a densidade da maturidade, basta-lhe a densidade dele em si. E não estou a dizer do amor pelos pais ou, meu Deus, pelos filhos, falo do amor carnal, do desejo, da paixão, da angústia da falta, da ansiedade do toque, do cheiro... deste amor que mantém a humanidade, que reproduz, que fragiliza mas eterniza. Conheci, Bibi e Frederico, este amor maduro na Valéria e, se eu puder desejar algo a vocês dois, desejo que sejam felizes como eu sou com ela, todos os dias da minha vida. Tesão, respeito, solidariedade, paixão fazem a hipótese da vida a dois. A melhor maneira de ter uma vida de casal, talvez a única, é ser inteiro e ter uma vida própia. Nunca abrir mão dos sonhos, dos delírios e não achar que tudo tem que ser vivido a dois. A solidão faz bem. É um direito nosso. Mas, se eu não tivesse encontrado a Valéria, meus momentos de solidão seriam pesados e não intensos e felizes como são. Quero para vocês a alegria que eu tenho de compartilhar o mundo com esta mulher, de aprender todos os dias com ela. E, quando os Ericos chegarem, nesta materialização do amor indizível, quero que vocês continuem a ser um casal apaixonado, dedicado, entregues ao amor a dois. Ser feliz é uma conquista diária, as vezes árdua, mas vale a pena. E nós temos, sobre nossas vidas, o manto celeste que nos abriga e protege. É uma alegria compartilhar este momento com vocês". 

Valéria e Kakay, eternos enamorados