GPS Lifetime GPS Lifetime

Chef Salvatore Loi homenageia 'A Mano com receitas italianas

Chef Salvatore Loi homenageia 'A Mano com receitas italianas
collaborated Redação
photo Cortesia

As criações do premiado chef ficarão disponíveis no menu do ‘A Mano a partir de 14 de janeiro

 

O premiado chef italiano Salvatore Loi assinará no cardápio, em homenagem ao chef de cozinha Ronny Peterson, dois pratos no menu do restaurante 'A Mano. A ligação de Loi e Peterson, pupilo do italiano, dura mais de 15 anos.

Agora, o cozinheiro prestigia a recém-inaugurada casa brasiliense com dois importantes preparos que representam os restaurantes do renomado chef da Sardenha. Os pratos farão parte do novo cardápio que deve ir à mesa ainda este mês e prometem agradar até os paladares mais exigentes.

Salvatore apresenta um ravióli de vitelo, grana padano e molho démi-glace. O cozinheiro também traz lasanhete invertida com ragu de bolonhesa e muçarela de búfala. As criações ficarão disponíveis no menu do 'A Mano a partir do dia 14 de janeiro. Quem ficou com água na boca? 

"Uma grande amizade e a paixão pela cozinha [italiana] uniu os dois. É um parceiro muito antigo do chef, e meu também. Pensei que seria uma oportunidade muito interessante, e, para nós, é um grande prazer receber esse presente", ressalta Carlos Rodrigues, um dos sócios do 'A Mano e articulador da inédita parceria.

O cozinheiro Salvatore Loi, italiano da região da Sardenha, foi conhecido por sua atuação à frente do grupo Fasano, no início dos anos 2000, bem como pela premiação The World's 50 Best Restaurant Award, como o melhor restaurante italiano da América Latina.

 

Serviço

 

'A Mano (411 Sul, Bloco D, Loja 36; 3245-8235). Aberto de segunda a quinta, das 12h às 15h e das 19h à 0h. Sexta e sábado, das 12h às 0h30. Domingo, das 12h às 17h.





Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional

Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional
collaborated Agência Brasil

Presidente defenderá reformas e compromisso com a democracia

 

Com uma agenda voltada para a defesa da abertura econômica, do combate à corrupção e do compromisso com a democracia, o presidente Jair Bolsonaro embarca neste domingo, 20, às 22h, para Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial. Ele viajará acompanhado dos ministros da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em sua 39ª edição, o Fórum Econômico Mundial reúne a elite política e econômica global para discutir a conjuntura mundial e estimular a cooperação entre governos e o setor privado. Na estreia de Bolsonaro no exterior, o governo pretende vender a empresários e a políticos a imagem de que a economia brasileira está modernizando-se, com abertura comercial, segurança jurídica para os investidores externos e reformas estruturais.

O presidente pode discursar na terça-feira, 22, num painel sobre a crise na Venezuela, e tem até 45 minutos reservados para falar na sessão plenária do fórum às 11h30 de quarta-feira, 23, no horário local, 8h30 em Brasília. Bolsonaro também pode discursar no painel O Futuro do Brasil, marcado para logo após a sessão plenária.

Na noite de terça, o presidente terá um jantar privado com os presidentes da Colômbia, Iván Duque; do Equador, Lenín Moreno; do Peru, Martín Vizcarra; e da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada. Os cinco presidentes latino-americanos assistirão a uma apresentação do presidente executivo da Microsoft, Satya Nadella.

Para quarta-feira, 24, está prevista a participação do presidente num almoço de trabalho sobre a globalização 4.0, que trata da quarta revolução industrial proporcionada pela tecnologia e é o tema do Fórum Econômico Mundial neste ano. Em seguida, a comitiva retorna para Zurique, de onde embarca de volta para Brasília, chegando à capital federal na manhã de quinta-feira, 25.




Ministros

Os ministros terão agendas paralelas em Davos. Paulo Guedes tem previstas reuniões com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e encontros bilaterais com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo; com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Roberto Moreno; e com o secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional, John Denton. O ministro da Economia também se encontrará com o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin.

Guedes também pretende reunir-se com empresários das áreas de infraestrutura, logística, energia e tecnologia e representantes de fundos de investimentos e fundos soberanos. Nos encontros, o ministro informará que a equipe econômica trabalha numa agenda calcada em quatro pilares: reforma da Previdência, privatizações, reforma administrativa e abertura comercial.

Segundo o Ministério da Economia, Guedes informará que o Brasil pretende dobrar os investimentos (público e privados) em pesquisa, tecnologia e inovação nos próximos quatro anos e a corrente de comércio – soma de importações e exportações – de 22% para 30% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país).

A abertura comercial defendida por Guedes ocorreria de forma gradual, acompanhada de um programa de desburocratização e de redução de impostos para empresas para não sacrificar a indústria brasileira. A diminuição de tributos seria financiada por privatizações e pelas reformas que conterão ou reduzirão os gastos públicos nos próximos anos.