GPS Lifetime GPS Lifetime

Chega a Brasília exposição sobre Poesia Experimental Portuguesa

Chega a Brasília exposição sobre Poesia Experimental Portuguesa
collaborated Redação
photo Cortesia

O compilado de obras estará exposto na CAIXA Cultural Brasília

 

A CAIXA Cultural Brasília recebe, de 17 de outubro a 16 de dezembro, a exposição Poesia Experimental Portuguesa, nas Galerias Piccola I e II. O compilado de obras apresenta, pela primeira vez ao público brasileiro, um panorama da poesia experimental realizada em Portugal desde os anos 1960 até os dias atuais.

São cerca de 80 trabalhos de 18 artistas portugueses. A coletânea, com curadoria de Bruna Callegari e Omar Khouri, percorre uma trajetória de seis décadas de produção poética em diferentes formatos e suportes: impressões, pinturas, caligrafias, fotografias, objetos, áudios e vídeos.

 

Apelidada com as iniciais de Poesia Experimental, a PO-EX nunca se configurou como um movimento fechado e teve pouca visibilidade no Brasil, embora ambos os países compartilhem da mesma língua e os portugueses tenham sido influenciados pela Poesia Concreta brasileira. Na exposição, destacam-se obras de artistas como E.M. de Melo e Castro, Ana Hatherly, António Aragão, Salette Tavares, Silvestre Pestana, António Barros, Fernando Aguiar, Emerenciano, entre outros.

 

A Poesia Experimental se configura como uma prática artística de resistência e transgressão.

Em suas viagens a Portugal, a curadora Bruna Callegari encontrou com artistas, colecionadores e instituições de arte, recolhendo revistas independentes, documentos, obras em papel, colagens, arte-postal, registros em vídeo e objetos.




A exposição visa resgatar e evidenciar o histórico dos artistas e de sua valiosa produção cultural. Na abertura da mostra, será lançado um livro-catálogo inédito, com edição de textos dos autores portugueses E.M de Melo e Castro, Ana Hatherly e Fernando Aguiar, além de reprodução das obras em exposição, em sua maioria nunca publicadas no Brasil. Também na abertura, haverá uma bate-papo com o poeta E.M. de Melo e Castro e a apresentação recitada e performática dos poetas Fernando Aguiar e Silvestre Pestana.

 

 

Poesia Experimental Portuguesa

A Poesia Experimental Portuguesa surgiu na década de 1960, desafiando métodos e convenções pré-definidas na cena artística portuguesa. Reconhecida em outros países como concreta, visual, espacial ou intersemiótica, autodenominou-se, em Portugal, Poesia Experimental com o lançamento, em 1964, de revista de mesmo nome, a qual alcançou o seu segundo número em 1966.

Dois acontecimentos antecederam o aparecimento em Portugal de manifestações originais da Poesia Experimental: primeiro, a rápida visita a Lisboa de Décio Pignatari em 1956 e segundo, a publicação em 1962, pela Embaixada do Brasil em Lisboa, de uma compilação da Poesia Concreta do grupo Noigandres.

Em cerca de 60 anos de existência, a Poesia Experimental segue em atividade. Cada artista desenvolve uma maneira diferente de expressão da visualidade na poesia. Ao longo dos anos, as novas gerações de poetas deram continuidade às experimentações, mantendo sempre o princípio da invenção. Tudo pode virar poesia: poemas-objetos, poesia visual, poesia-performance, poesia-cinética e videopoesia.

 

Serviço 

O que? Exposição - Poesia Experimental Portuguesa

Quando? De 17 de outubro a 16 de dezembro, de terça a domingo, das 9h às 21h

Onde? CAIXA Cultural Brasília – Galerias Piccola I e II (SBS Qd. 4, Lts. 3/4)


Anna Dello Russo desapega de parte de sua coleção de acessórios

Anna Dello Russo desapega de parte de sua coleção de acessórios
collaborated Bruna Nardelli
photo Vestiaire Collective

Editora de moda está cada vez mais engajada no consumo consciente 

 

Anna Dello Russo desapega mais uma vez! Após ter passado para frente 30 looks de seu arquivo com renda revertida para Central Saint Martin, em Londres, no início deste ano, a contribuinte da Vogue japonesa volta a se desfazer de itens icônicos. 

Desta vez, a ação eco-friendly é focada em sua coleção de acessórios e conta com a parceria do brechó virtual Vestiaire Collective. Para a alegria de fashionistas mundo afora, o portal já abriga as peças. Run!

Entre os itens dignos da rainha do street style, joias da Lanvin, Prada, Miu Miu, Chanel e Moschino, além de muito vintage.

Em bate-papo com o Vestiaire Collective, Dello Russo explicou a motivação por trás da iniciativa. "Colocar estas peças para circular é um dos comportamentos mais sustentáveis que podemos ter na indústria", declarou.

"Chegou um ponto da minha vida em que eu tinha coisas demais. Eu me senti pronta para começar um novo ciclo. De repente, me vi tocada pela ideia de que ter coisas em excesso pode ser algo que te impede de seguir adiante", complementou. Ela aproveitou a conversa para anunciar que a sua próxima sessão desapego será de livros.

Vale lembrar que até pouco tempo atrás a editora de moda precisava de dois apartamentos para comportar seu rico acervo. De vez em quando, é bom fazer uma limpa no closet, né? Bela ação, Anna! 

Veja também

Alexandre Birman recebe Anna Dello Russo em showroom de Paris

O destino escolhido para a apresentação da coleção outono/inverno 2018 de Alexandre Birman foi Paris. Cada vez mais reconhecida no cenário internacional, a label recebeu em março um seleto grupo de convidados, buyers e imprensa no Le Ritz, um dos hotéis mais clássicos e luxuosos da cidade luz. A icônica fashionista italiana Anna Dello Russo foi uma das personalidades que marcou presença no spot

collection foi criada a partir do olhar e alma de um verdadeiro shoemaker, onde trabalhos manuais, tressês cuidadosamente elaborados e couros especiais trazem à tona a inspiradora arte de produzir sapatos. A nova season chega com materiais exclusivos, como o couro de phyton, os suedes de toque aveludado, as nappas extremamente macias e os pelos multicoloridos em tons harmoniosos. Show!