GPS Lifetime GPS Lifetime

Bares e pubs de Brasília celebram o Dia Mundial do Rock com programação especial

Bares e pubs de Brasília celebram o Dia Mundial do Rock com programação especial
collaborated Redação

 

Solos eletrizantes, riffs icônicos e muita atitude. Nesta quinta-feira, 13, o mundo celebra o Dia do Rock. Em Brasília, cidade considerada o “berço” do rock nacional, as celebrações da data prometem ferver os pubs, bares e casas noturnas. O GPS|Brasília selecionou os melhores eventos para você convidar os amigos, soltar a voz, mandar um air guitar e bater cabelo. Confira!

QUARTA, 12

Dia do Rock No Poizé
Local: SCLN 305 Bl. E Subsolo - Asa Norte
Horário: 21h
Atrações: Trio Magnata (rock brasileiro) e Britânia (rock inglês)
Entrada: R$ 20

QUINTA, 13

Dia Mundial do Rock
Local: Museu Nacional da República
Horário: 17h às 3h
Atrações: Idade Média, Mariana Camelo, Saurios, Napoleonic, Vontana, Brown-Há, Banda convidada especial
Entrada: Gratuito

Na Rota do Dia do Rock
Local: Espaço Canteiro Central - SCS Qd. 3 Bl. A
Horário: A partir das 19h
Atrações: John No Arms, DUEX, Motörband e Classic Rock
Entrada: Gratuita até às 21h; R$ 10 até 22h; R$ 15 após 22h

Dia Mundial do Rock no Velvet Pub
Local: Velvet Pub - 102 Norte Bl. B
Horário: A partir das 21h
Atrações: Dr. Rock (Led Zeppelin, Black Sabath, Deep Purple, Aerosmith, Bom Jovi, AC/DC, outros)
Entrada: R$ 10 até 23h; R$ 20 após 0h


AC/DC

Dia do Rock no Primeiro Bar
Local: Primeiro Bar - SIG Quadra 08 Lote 2385
Horário: A partir das 18h
Atrações: Banda Distintos Filhos e DJ Diogo NK
Entrada: Cobrança de couvert

Dia Mundial do Rock: Led Zeppelin + AC/DC
Local: O’rriley Irish - CLS 409 Bl. C
Horário: 22h
Atrações: Adriano Faquini & Kiko Peres, AB/DC, e DJ Marcinho Grande Brother
Entrada: R$ 20 até 22h30; R$ 30 após 22h30

Dia do Rock no Ziriguidum
Local: Ziriguidum - CLS 412 Bloco A Loja 37
Horário: 19h
Atrações: DJ Gustavo Ivalski

Dia Mundial do Rock no UK Music Hall
Local: UK Music Hall - CLS 411
Horário: 21h30
Atrações: Banda Rock Now
Entrada: Lista (confirmando presença no evento) R$ 15; Normal R$ 25

SEXTA, 14

On The Rocks no Uk
Local: UK Music Hall - CLS 411
Horário: 22h
Atrações: Banda On The Rocks 100% rock
Entrada: Lista R$ 15 até 23h (lista@bandaontherocks.com.br)

SÁ;BADO, 15

Dia Mundial do Rock na Taverna
Local: Taverna Cervejas Especiais - Avenida Araucárias Lote 1325, Ed. Real Quality
Horário: 15h às 22h
Atrações: DJ Let’s Rock Society, Bartô Blues e Ricardo Serpa, Banda Fire On
Entrada: Ingresso social - agasalho

Punkandango
Local: Stranjas Club - SHCS 513 Bl. C - Asa Sul
Horário: 18h
Atrações: Frequência, Motel JackUzi, Sinéstesie e Banda NaVan
Entrada: R$ 10


Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional

Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional
collaborated Agência Brasil

Presidente defenderá reformas e compromisso com a democracia

 

Com uma agenda voltada para a defesa da abertura econômica, do combate à corrupção e do compromisso com a democracia, o presidente Jair Bolsonaro embarca neste domingo, 20, às 22h, para Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial. Ele viajará acompanhado dos ministros da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em sua 39ª edição, o Fórum Econômico Mundial reúne a elite política e econômica global para discutir a conjuntura mundial e estimular a cooperação entre governos e o setor privado. Na estreia de Bolsonaro no exterior, o governo pretende vender a empresários e a políticos a imagem de que a economia brasileira está modernizando-se, com abertura comercial, segurança jurídica para os investidores externos e reformas estruturais.

O presidente pode discursar na terça-feira, 22, num painel sobre a crise na Venezuela, e tem até 45 minutos reservados para falar na sessão plenária do fórum às 11h30 de quarta-feira, 23, no horário local, 8h30 em Brasília. Bolsonaro também pode discursar no painel O Futuro do Brasil, marcado para logo após a sessão plenária.

Na noite de terça, o presidente terá um jantar privado com os presidentes da Colômbia, Iván Duque; do Equador, Lenín Moreno; do Peru, Martín Vizcarra; e da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada. Os cinco presidentes latino-americanos assistirão a uma apresentação do presidente executivo da Microsoft, Satya Nadella.

Para quarta-feira, 24, está prevista a participação do presidente num almoço de trabalho sobre a globalização 4.0, que trata da quarta revolução industrial proporcionada pela tecnologia e é o tema do Fórum Econômico Mundial neste ano. Em seguida, a comitiva retorna para Zurique, de onde embarca de volta para Brasília, chegando à capital federal na manhã de quinta-feira, 25.




Ministros

Os ministros terão agendas paralelas em Davos. Paulo Guedes tem previstas reuniões com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e encontros bilaterais com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo; com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Roberto Moreno; e com o secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional, John Denton. O ministro da Economia também se encontrará com o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin.

Guedes também pretende reunir-se com empresários das áreas de infraestrutura, logística, energia e tecnologia e representantes de fundos de investimentos e fundos soberanos. Nos encontros, o ministro informará que a equipe econômica trabalha numa agenda calcada em quatro pilares: reforma da Previdência, privatizações, reforma administrativa e abertura comercial.

Segundo o Ministério da Economia, Guedes informará que o Brasil pretende dobrar os investimentos (público e privados) em pesquisa, tecnologia e inovação nos próximos quatro anos e a corrente de comércio – soma de importações e exportações – de 22% para 30% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país).

A abertura comercial defendida por Guedes ocorreria de forma gradual, acompanhada de um programa de desburocratização e de redução de impostos para empresas para não sacrificar a indústria brasileira. A diminuição de tributos seria financiada por privatizações e pelas reformas que conterão ou reduzirão os gastos públicos nos próximos anos.