GPS Lifetime GPS Lifetime

Ao lado da ministra Damares Alves, Ibaneis defende mulheres

Ao lado da ministra Damares Alves, Ibaneis defende mulheres
collaborated Rebeca Oliveira
photo Reprodução

Em defesa da mulher e contra violência, Ibaneis reabrirá Casa da Mulher Brasileira, fechada desde abril do ano passado. Anúncio foi feito nesta quinta-feira, 10, em visita com a ministra Damares Alves

 

Os números são alarmantes. Em apenas 10 dias, mais de 130 casos de violência contra a mulher foram registrados no Distrito Federal. A urgência da questão mobilizou o governador Ibaneis Rocha. Em visita à Casa da Mulher Brasileira nesta quinta-feira, 10, o advogado não apenas garantiu que reabrirá o espaço de atendimento ao público feminino como ampliará ações com o mesmo fim.

Ao lado da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, Ibaneis afirmou que, além de dar um novo fôlego ao espaço, fechado desde abril do ano passado, também criará atendimento específico nas estações do metrô.

"Daremos o atendimento possível dentro dessa estrutura que está bastante degradada e difícil de ser recuperada. É um problema estrutural. Parte do prédio está condenado, somente demolindo para fazer outra", criticou.

"Levaremos o atendimento à mulher para as cidades. Vamos abrir em Ceilândia, em Planaltina, que é onde realmente elas precisam. Já existem R$ 14 milhões de recursos depositados na conta da Secretaria da Mulher, e faremos essas obras de forma emergencial", emendou.

Violência no DF

O atual governador do Distrito Federal reconhece que a situação da mulher é delicada. Além dos casos confirmados, há, ainda, aqueles em que a vítima sequer se dirige até uma delegacia ou outro espaço de amparo. "Estamos vivendo um ambiente de muita violência doméstica", afirmou.  "Essa cultura da impunidade tem que acabar", declarou.

Segundo ele, a melhor forma de reverter essa situação é com atendimento rápido e prioritário. "Colocaremos advogados dentro do programa pró-vítima para atender às vítimas. Porque, hoje, a Defensoria Pública atende os agressores", finalizou.


Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional

Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional
collaborated Agência Brasil

Presidente defenderá reformas e compromisso com a democracia

 

Com uma agenda voltada para a defesa da abertura econômica, do combate à corrupção e do compromisso com a democracia, o presidente Jair Bolsonaro embarca neste domingo, 20, às 22h, para Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial. Ele viajará acompanhado dos ministros da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em sua 39ª edição, o Fórum Econômico Mundial reúne a elite política e econômica global para discutir a conjuntura mundial e estimular a cooperação entre governos e o setor privado. Na estreia de Bolsonaro no exterior, o governo pretende vender a empresários e a políticos a imagem de que a economia brasileira está modernizando-se, com abertura comercial, segurança jurídica para os investidores externos e reformas estruturais.

O presidente pode discursar na terça-feira, 22, num painel sobre a crise na Venezuela, e tem até 45 minutos reservados para falar na sessão plenária do fórum às 11h30 de quarta-feira, 23, no horário local, 8h30 em Brasília. Bolsonaro também pode discursar no painel O Futuro do Brasil, marcado para logo após a sessão plenária.

Na noite de terça, o presidente terá um jantar privado com os presidentes da Colômbia, Iván Duque; do Equador, Lenín Moreno; do Peru, Martín Vizcarra; e da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada. Os cinco presidentes latino-americanos assistirão a uma apresentação do presidente executivo da Microsoft, Satya Nadella.

Para quarta-feira, 24, está prevista a participação do presidente num almoço de trabalho sobre a globalização 4.0, que trata da quarta revolução industrial proporcionada pela tecnologia e é o tema do Fórum Econômico Mundial neste ano. Em seguida, a comitiva retorna para Zurique, de onde embarca de volta para Brasília, chegando à capital federal na manhã de quinta-feira, 25.




Ministros

Os ministros terão agendas paralelas em Davos. Paulo Guedes tem previstas reuniões com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e encontros bilaterais com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo; com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Roberto Moreno; e com o secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional, John Denton. O ministro da Economia também se encontrará com o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin.

Guedes também pretende reunir-se com empresários das áreas de infraestrutura, logística, energia e tecnologia e representantes de fundos de investimentos e fundos soberanos. Nos encontros, o ministro informará que a equipe econômica trabalha numa agenda calcada em quatro pilares: reforma da Previdência, privatizações, reforma administrativa e abertura comercial.

Segundo o Ministério da Economia, Guedes informará que o Brasil pretende dobrar os investimentos (público e privados) em pesquisa, tecnologia e inovação nos próximos quatro anos e a corrente de comércio – soma de importações e exportações – de 22% para 30% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país).

A abertura comercial defendida por Guedes ocorreria de forma gradual, acompanhada de um programa de desburocratização e de redução de impostos para empresas para não sacrificar a indústria brasileira. A diminuição de tributos seria financiada por privatizações e pelas reformas que conterão ou reduzirão os gastos públicos nos próximos anos.