GPS Lifetime GPS Lifetime

Tribuna da Câmara de Vereadores do Rio ganha nome de Marielle

Tribuna da Câmara de Vereadores do Rio ganha nome de Marielle
collaborated Agência Brasil
photo Agência Brasil

A tribuna da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro ganhou, nesta quarta-feira, 5, o nome da vereadora Marielle Franco, assassinada junto com o motorista Anderson Gomes, na noite de 14 de março deste ano, centro do Rio. Eles foram mortos a tiros, quando voltavam para casa, na Tijuca, após participar de um evento no bairro do Estácio.

A placa, com a frase “Não serei interrompida. Não calarão a minha voz", foi colocada na tribuna quase nove meses depois da morte de Marielle, atingida por quatro tiros, todos na região da cabeça. Os autores do crime até agora não foram identificados.

A vereadora, eleita pelo PSOL, disse essa frase em discurso na tribuna da Casa no dia 8 de março deste ano, dia em que se comemorava o Dia Internacional da Mulher.

Para a vereadora Rosa Fernandes (MDB),dar o nome da Marielle à tribuna é uma maneira de perpetuar a imagem dela. "É um espaço onde fazemos os discursos e damos nossa opinião sobre a cidade. E é uma forma de dizer que não vão calar a nossa voz. Foi uma ideia que tivemos para homenagear essa mulher guerreira, defensora dos direitos humanos", afirmou.

A homenagem a Marielle foi proposta por vereadoras de vários partidos: Tânia Bastos (PRB), Luciana Novaes (PT), Teresa Bergher (PSDB), Vera Lins (PP) e Veronica Costa (MDB), além de Rosa Fernandes.

*Com informações da Agência Brasil




João de Deus recorrerá ao STJ para tentar prisão domiciliar

João de Deus recorrerá ao STJ para tentar prisão domiciliar
collaborated Agência Brasil

A defesa quer tentar reverter a prisão do médium

 

A defesa do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, de 76 anos, preso há quatro dias, recorrerá nesta quarta-feira, 19, no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para tentar reverter a prisão preventiva em prisão domiciliar com tornozeleira. O recurso ocorre após a Justiça de Goiás negar o habeas corpus impetrado pelos advogados.

"Apenas a liminar foi apreciada e negada. O julgamento final do habeas [corpus] deverá se dar após o recesso. Discordamos da decisão e vamos recorrer ao STJ", afirmou o advogado Alberto Toron, em nota à imprensa.

Segundo o advogado, é preciso levar em conta a idade avançada e o estado de saúde do médium. Também deve ser considerado, de acordo com a defesa, o fato de o médium ter se apresentado espontaneamente à polícia e prestado esclarecimentos.

Pelo terceiro dia consecutivo, João de Deus passou a noite em uma cela de 16 metros quadrados com pia e vaso sanitário, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.




Denúncias

O pedido de prisão preventiva foi decretado com base em 15 denúncias já formalizadas em Goiânia, todas por crimes sexuais. Desde a semana passada, a força-tarefa do Ministério Público de Goiás recebeu 506 relatos de crimes sexuais atribuídos ao médium.

Para o promotor Luciano Miranda, que integra a força-tarefa que investiga as acusações, o médium é suspeito da prática de pelo menos três crimes: estupro de vulnerável, estupro e violação sexual.

Ontem, 18, policiais federais, que fazem parte do grupo de força-tarefa, cumpriram mandados de busca e apreensão na Casa Dom Inácio Loyola, onde João de Deus fazia os atendimentos espiritualistas. Eles revistaram as partes internas, administrativa e os locais de oração.

Os policiais deixaram o centro espiritualista com documentos. Eles também foram a uma residência, apontada como propriedade do médium, onde recolheram armas e dinheiro, segundo informações preliminares.

Detalhes

A TV Anhaguera, de Goiânia, teve acesso ao pedido da Justiça de prisão preventiva com base nas investigações policiais. O texto menciona que o médium “se aproveitava” de “mulheres fragilizadas” e que em alguns casos houve “penetração”.

Também cita João de Deus com um  “comportamento padronizado” nas agressões sexuais e que ele criava uma “atmosfera intimidatória” para abusar das vítimas.