GPS Lifetime GPS Lifetime

Bateu uma saudade do meu sedentarismo existencial

Bateu uma saudade do meu sedentarismo existencial

O tempo resolve e cura muitas das nossas dores e acomoda as sensações perturbadoras. Enquanto isso, bem, enquanto isso vou-me deixar levar. E ser levado


Então: onde eu cheguei? Frágil, a ponto de não poder sair e de não poder seguir adiante sem temer o passo à frente nem força e coragem de dar o passo decisivo, elucitidativo, o passo que define tudo e encerra todas as angústias. Sim, o passo atrás. Tornei-me uma câimbra: qualquer mínimo movimento me provoca dores insuportáveis e não há zona de conforto. A não ser permanecer imóvel, esperando o tempo passar, esperando todas as fibras finalmente se "desrebelarem".

É o que vou fazer: nada. E isso é tudo. Isso é muito. Isso é o bastante. Isso não é pouco. Porque o tempo resolve e cura muitas das nossas dores e acomoda as sensações perturbadoras. Enquanto isso, bem, enquanto isso vou-me deixar levar. E ser levado. E sorrir. E ver o sorriso. E ser bobo. E acreditar no inacreditável. E descrer do incontestável. E viver numa bolha. Até que as fibras esgarçadas parem de fisgar. Daí verei o que vou fazer. Talvez não faça nada e nem me lembre desse pequeno transtorno. Mas, aí, será depois.




Agora, o que sei é que não costumava ser assim. Os dias não ardiam, nem jorravam. Não choviam, não nublavam, mas também não tinham tanto calor nem eram tão ensolarados. Não havia tantas flores em cada jardim, não havia tantas cores todos os dias, não havia tantos sons, tantos suspiros, tantos disparos.

Definitivamente, era muito, imensamente mais fácil acordar cada manhã de inverno e divisar a paisagem serena da neve acumulada. E contemplar sua beleza fria, e dar-lhe forma, esculpi-la e deixá-la lá e no dia seguinte saber que continuaria ali, imóvel.

É…

Mas todas essas contrações estranhamente me provocam dor e contentamento. Sinto que, que… Sou masoquista? Não. Que estou vivo. E que contemplar é sereno e confortante, mas viver é distender, contundir, mas trabalhar os grupos musculares e sentir as fibras rasgando e a dor, a dor do trabalho realizado. Músculos que se exercitam doem, mas a dor os fortalece. E só doendo é que se ganha a força para projetá-los em novos esforços.


Ai que saudade do meu sedentarismo...


Novo amor: Brad Pitt está namorando Charlize Theron, diz jornal

Novo amor: Brad Pitt está namorando Charlize Theron, diz jornal
photo Reprodução

O affair teria começado no Natal

 

Casal perfeito? De acordo com o jornal inglês The Sun, Brad Pitt está namorando a atriz e ex-modelo sul-africana Charlize Theron. O periódico afirma que o relacionamento teve start no Natal, quando os pombinhos foram apresentados por Sean Penn, ex-marido da loira. 

“Eles estão se vendo casualmente há quase um mês. Eles eram amigos há um tempo, ironicamente apresentados por Sean Penn, e as coisas evoluíram”, declarou uma fonte ao jornal.

Se os boatos forem verdadeiros, esse é o primeiro relacionamento público de Pitt desde que ele se divorciou de Angelina Jolie, em setembro de 2016. Pitt e Jolie têm seis herdeiros juntos. Já Charlize tem dois filhos adotados.

Rixa

Angelina e Theron, inclusive, têm uma rixa de longa data. Segundo a imprensa, as duas atrizes não se suportam por questões profissionais. A história que rola solta em Hollywood é de que elas disputam os mesmos papéis há anos. 

Em 2017, por exemplo, Angelina teria sido convidada para fazer A Noiva de Frankenstein e Charlize ficou como a segunda opção, protagonizando o filme caso a morena declina-se. Nos bastidores dos estúdios, o burburinho era de que a ex de Brad Pitt não tinha interesse no longa, mas enrolou o máximo que pôde para dar sua resposta. Isso só para irritar Theron, que aguardava ansiosamente para saber se iria ou não ser chamada.

“O festival de ódio entre essas duas começou há muito tempo e não vai parar”, informou uma fonte ao site Radar. “É como se os diretores quisessem jogar uma contra a outra, balançando um roteiro para as duas e deixando-as a brigar por ele.” Bafão!